segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Freguesia da Sé em Angra




Freguesia da Sé 
Angra do Heroísmo
 

Apesar de a Sé ter os seus limites geográficos confinados à malha urbana de Angra do Heroísmo, considera que se trata de "uma freguesia muito rica", tendo em conta que é nela que está uma boa parte dos bens classificados pela UNESCO como Património Mundial.

A par da riqueza do património cultural e histórico, destacou o facto de a Sé, para além de ter a sede do município, dispõe de diversos departamentos e serviços da administração regional, empresas e comércio de diferentes áreas e ainda instituições que se dedicam a múltiplas atividades.

No entanto, o autarca adianta que embora exista essa riqueza em termos de património arquitetónico e cultural "a Sé está a ficar mais pobre porque há lojas de comércio a desparecer e instituições que no passado eram fortes na freguesia e que agora atravessam sérias dificuldades".

Basílio Sousa reconhece que essa realidade acaba por ter impacto para a freguesia embora tal não seja muito percetível porque a mesma está integrada na cidade de Angra do Heroísmo.

Outro problema da Sé é a desertificação, uma vez que, ao longo das últimas décadas, muitos moradores das ruas principais da freguesia optaram por residir em outros locais.

"Quando faço um passeio à noite fico impressionado com a quantidade de casas das principais ruas da freguesia que estão sem ninguém e que no passado foram a residência de várias gerações. Nesse aspeto a freguesia da Sé está mais pobre", afirmou.

Embora seja a freguesia mais urbana do concelho de Angra do Heroísmo, o número de habitantes não chega aos mil. No entanto, Basílio Sousa acredita que algumas pessoas que optaram por residir fora da Sé possam um dia regressar, numa fase mais adiantada das suas vidas.


Tendo em conta que exerce a funções de autarca da Sé há muitos anos, reconhece que "é mais difícil gerir uma freguesia rural porque numa freguesia citadina não temos que nos preocupar com a manutenção, por exemplo, dos caminhos, porque praticamente é tudo feito pelos serviços municipais. Temos pouco espaço para podermos intervir".

Mesmo com essas limitações, fez questão em realçar o papel que a Junta de Freguesia da Sé tem desempenhado no que se refere à sensibilização das diferentes entidades para problemas como a manutenção das muralhas do Castelo de São João Baptista.

Por outro lado, destaca o facto de a junta de freguesia ter participado com "pequenos trabalhos" na requalificação da zona verde do Relvão que é da responsabilidade da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

Quando perguntamos o que faz falta à freguesia da Sé, Basílio Sousa responde que é urgente uma maior revitalização do centro da cidade. 

Tendo em vista esse objetivo, revela que foi apresentada uma proposta à Câmara Municipal para a realização de uma feira semanal ou quinzenal da "tralha" para que as pessoas possam trocar objetos em bom estado de uso mas de que já não precisam.

"Essa era uma maneira de trazer, nesses dias, mais gente para a freguesia da Sé mas infelizmente a nossa proposta foi recusada pela Câmara de Angra, se calhar para apresentar a ideia mais tarde como sendo sua", acrescentou.

Entre várias personalidades que se destacam na Sé, fez referência a Jorge Forjaz "pelo facto de sempre ter defendido a freguesia", por isso assegura que gostaria de lhe prestar homenagem antes de abandonar as funções de autarca no próximo mês de outubro. 











SOBRE A SÉ


1903 - Sé de São Salvador
Criada em 1534 como freguesia do Bispado de Angra, a Sé tem uma população de 955 habitantes (Censos de 2011), ocupando uma área de 1,84 quilómetros quadrados a que corresponde a uma densidade populacional de 519 habitantes por quilómetro quadrado.

 O topónimo "Sé" teve origem na Sé Catedral localizada na freguesia e que foi construída a partir de 1570, sobre as ruínas da quatrocentista Igreja do Divino.

Para além da Sé Catedral, a freguesia dispõe de outros edifícios e monumentos emblemáticos para história de Angra do Heroísmo e dos Açores como o Palácio dos Capitães-Generais ou o Castelo de São João Baptista, uma das maiores fortalezas da Europa. 








"A Sé para mim é tudo".

É desta forma que Basílio Sousa se refere à freguesia onde exerce as funções de autarca, há mais de 30 anos.


In DI (10-MARÇO-2013)

Reportagem: Hélio Vieira
Fotografia: António Araújo