sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Raúl Brandão (1867-1930)



AS ILHAS DESCONHECIDAS



Raul Brandão nasceu na Foz do Douro em Março de 1867 e aí passou a infância e a juventude. Era filho e neto de pescadores. Durante os anos de liceu, começou a interessar-se pela literatura.



Frequentou, como ouvinte, o Curso Superior de Letras, ingressando mais tarde na Escola do Exército. Paralelamente a esta carreira – mormente ligada à burocracia militar - Raul Brandão foi jornalista escritor. Em 1896 foi colocado em Guimarães, cidade onde se casou e se instalou definitivamente. Só em 1912, depois de se retirar da vida militar, se dedicou em exclusivo à escrita, tendo publicado alguma das obras mais marcantes da nossa literatura do início do século XX, como Os Pescadores, Húmus, El-Rei Junot, A Morte do Palhaço e três notáveis volumes de Memórias, além de As Ilhas Desconhecidas. Morreu em Lisboa, em Dezembro de 1930.

1926 (1.ª edição)


Entre Junho e Agosto de 1924, na companhia de outros intelectuais (entre eles, Vitorino Nemésio), Raúl Brandão viajou pelos arquipélagos da Madeira e dos Açores. Daí nasceu As Ilhas Desconhecidas - Notas e Paisagens, um dos mais importantes e belos livros de viagem da literatura portuguesa. Nele, Brandão descreve de forma comovida e paciente a paisagem e a solidão insular, a cor raríssima de cenários mágicos e ignorados, o exotismo perturbador e silencioso, um retiro de melancolia e de beleza.

2017-04-26
Edição filatélica dos CTT
(Vultos da Cultura)

Visite o álbum filatélico de Maria de Lurdes Freitas "Ilhas Desconhecidas" em:



Quase um século depois, As Ilhas Desconhecidas permanece no nosso património literário como a mais completa das homenagens aos arquipélagos atlânticos.

Moeda comemorativo dos 150 anos
do nascimento de Raúl Brandão

As Ilhas Desconhecidas são as ilhas dos Açores e da Madeira, percorridas por Raul Brandão num verão no início do século XX. Através desta narrativa de viagem, somos transportados de ilha em ilha, guiados apenas pelos nossos sentidos. Os olhos são invadidos pelas cores das ilhas - o verde dos pastos, o negro das rochas, o cinzento do nevoeiro e a multiplicidade de cores que se revelam pela ação do sol. São os cheiros que ficam na memória olfativa - o mar, a humidade, as flores, as frutas tropicais e, menos bom mas igualmente memorável, o cheiro de óleo de baleia. Os sons - o silêncio, as aves, as vacas na pastagem, o mar. Os sabores - desde o mais rude e agreste do pão, ao doce do leite açoriano e das frutas tropicais madeirenses. E são as gentes destas ilhas: há os genuínos, solidários e honestos corvinos que vivem num isolamento extremo, mas que figuram como o povo que o narrador mais admira pelo seu sentido de comunidade e partilha; há os baleeiros do Pico que vivem em função da pesca, constantemente virados para o mar e destemidos nas suas canoazinhas, armados apenas com um singelo arpão. E há as gentes da Madeira: por um lado, os que vivem bem do turismo, os que cultivam a terra mas desgraçam as vidas bebendo e os poucos que ainda vivem da terra honestamente.

Este retrato centenário destes arquipélagos portugueses é, ainda hoje, capaz de fazer os leitores desejar visitá-los, despertando nos leitores o desejo de os verem com os seus próprios olhos.


Textos obtidos no blog "Segredo dos Livros"

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

A Cimeira das Lajes (1971)


A CIMEIRA DAS LAJES
(13 de Dezembro de 1971)

Estalagem da Serreta - Terceira

A Cimeira das Lajes, em dezembro de 1971, na ilha açoriana da Terceira foi o centro do mundo.

Foi numa estalagem hoje abandonada que Marcelo Caetano recebeu os presidentes americano e francês, Nixon e Pompidou, numa cimeira para enfrentar a crise económica da altura.






Bilhete Postal de Boas Festas comemorativo
da chegada do Presidente George Pompidou
à Ilha Terceira a bordo do Concorde

O presidente francês Georges Pompidou chegou aos Açores debaixo de uma chuva torrencial que deixou os anfitriões e dezenas de repórteres e operadores de câmara à sua espera na pista com água pelos tornozelos. Mas naquele domingo, 12 de dezembro de 1971, os presentes tiveram o privilégio de ser dos primeiros mortais a verem a aterragem do avião mais avançado do mundo: o supersónico Concorde, então ainda em voos experimentais, usado por Pompidou para exibir o prestígio de uma França que então se assumia como líder da Europa. 





Chegada à Terceira do Presidente Nixon
a bordo do Air Force One

Horas depois, já de noite, Richard Nixon teve mais sorte com o tempo: ele e o seu inseparável conselheiro de segurança, Henry Kissinger (que em breve seria promovido a secretário de Estado), desceram do Air Force One saudados por um céu limpo. Marcelo Caetano ainda tinha o sobretudo cinzento-escuro encharcado mas exultava de alegria. Há muito que um chefe de governo português não aparecia na alta-roda da política mundial como naqueles três dias, entre 12 e 14 de dezembro de 1971.  



Saudando o povo na janela do
Palácio dos Capitães-Generais
em Angra do Heroísmo
A Europa e a América estavam a braços com uma profunda crise económica e financeira que os especialistas não hesitavam em classificar como a mais grave desde a Segunda Guerra Mundial. O inimigo público número 1 do sistema monetário internacional era a inflação - um monstro alimentado pelas despesas astronómicas da guerra do Vietname, nos EUA, e do Estado-providência nos seis países do Mercado Comum (como era então conhecida a Comunidade Económica Europeia, antecessora da União Europeia) e em Inglaterra, que entraria para a CEE em janeiro de 1973. 

Aerograma comemorativo da
Cimeira das Lajes

Para aliviar a pressão inflacionista, em agosto desse ano, Richard Nixon tinha abandonado o padrão-ouro e, enquanto se preparava para desvalorizar o dólar - o que fez poucos dias depois da cimeira dos Açores - tentava convencer os parceiros europeus a valorizarem as respetivas moedas.
 
Mas não era fácil. Primeiro precisava de vender a ideia ao presidente francês. Georges Pompidou sucedera apenas dois anos antes ao general De Gaulle, que usou o Mercado Comum para mostrar ao mundo que era a França quem liderava a Europa. Por isso, o velho general vetou repetidas vezes a candidatura britânica e aproveitou a fragilidade política da Alemanha dividida. Pompidou abriu as portas à Inglaterra, mas insistia em apresentar a França como a «locomotiva» europeia. 

Sobrescrito de 1º. dia comemorativo
da Cimeira das Lajes
A cimeira para negociar as alterações no sistema monetário internacional foi preparada pelas diplomacias americana e francesa com cuidados cirúrgicos. Para não dar vantagem a qualquer das partes, o encontro devia ocorrer a meio caminho e em terreno neutro. Portugal, aliado de ambos os países na NATO (embora, nessa altura, a França não participasse na estrutura militar da Aliança Atlântica), tinha o arquipélago dos Açores precisamente a meio caminho entre a França e os EUA - que acabavam de renovar o contrato de arrendamento da base das Lajes, na ilha Terceira. 

Para Marcelo Caetano, a oportunidade de aparecer perante a comunidade internacional no papel de anfitrião de dois dos homens mais poderosos do mundo era uma autêntica dádiva divina. Desde o início da guerra em Angola, dez anos antes, que o decadente regime autoritário do Estado Novo sofria um isolamento cada vez maior. Não eram só as votações humilhantes que sucessivamente derrotavam Portugal na ONU. As visitas de chefes de Estado estrangeiros a Lisboa - Isabel II de Inglaterra em 1957, Hailé Selassié da Etiópia em 1959, Eisenhower dos EUA, Sukarno da Indonésia, Kubitschek do Brasil e o rei Bhumidhol da Tailândia, todos em 1960 - eram recordações do passado.  

1967 - Paulo VI em Fátima
Paulo VI visitara Fátima em 1967, mas fizera questão de sublinhar a dimensão puramente religiosa da viagem ao recusar-se a passar por Lisboa (aterrou no aeródromo de Monte Real, perto de Leiria, de onde também descolou). O mesmo papa, em 1970, recebeu no Vaticano os líderes dos movimentos nacionalistas que combatiam contra Portugal em África. O Estado Novo deixara o país «orgulhosamente só», como dissera Salazar. Mas agora, com a cimeira dos Açores, as coisas iam mudar... pelo menos, Marcelo, que sucedera a Salazar em setembro de 1968, assim o esperava. 


Sobrescrito de 1º dia comemorativo
da Cimeira das Lajes
O presidente do Conselho chegou ao aeroporto das Lajes às 12h40 de domingo, dia 12. Depois dos cumprimentos da praxe, dirigiu-se em cortejo automóvel aos palcos da cimeira: a estalagem da Serreta (onde ficou alojado Pompidou) e a Junta Geral do Distrito de Angra do Heroísmo. Nixon instalou-se na residência do comandante da base americana das Lajes. Marcelo Caetano ficou no Palácio dos Capitães-Generais, residência oficial do governador do distrito. 




O Concorde com o presidente francês chegou pelas 16h40, fustigado por bátegas de água. A aterragem não foi isenta de percalços: o avião teve mesmo um pneu furado, mas Pompidou desembarcou sem incidentes. A comitiva francesa, de que faziam parte o ministro das Finanças (e futuro presidente da República) Giscard d"Estaing e o ministro dos Negócios Estrangeiros Maurice Schumann, seguiu logo para a estalagem da Serreta. Depois de todos mudarem de roupa - estavam molhados até aos ossos -, Pompidou teve uma primeira conversa, de cinquenta minutos, com Marcelo Caetano. 

Este voltou logo a seguir ao aeroporto, a tempo de dar as boas-vindas a Nixon. O Air Force One aterrou às 21h45 - mas o desembarque do presidente americano do Boeing 707, perante centenas de jornalistas e apesar do show off do aparato da segurança, foi ofuscado pela estrela da ocasião: o Concorde que, a curta distância, dominava a pista. 

Carta circulada em Angra do Heroísmo
O episódio foi alvo de um braço-de-ferro diplomático travado com punhos de renda, daqueles incidentes que dão picante ao cinzentismo destes encontros, como conta o então responsável dos serviços de imprensa do governo português, Pedro Feytor Pinto, nas suas memórias no livro Na Sombra do Poder: «Os americanos não queriam que o Concorde ficasse em frente da aerogare pois, chegando o presidente Nixon já de noite, com transmissão direta em todas as televisões dos Estados Unidos, seria uma evidência do atraso americano a presença espetacular do avião francês. Não é fácil discutir com norte-americanos mas compreenderam que a parte da base onde se procedia às cerimónias era portuguesa e seríamos nós a decidir. Assim, o Concorde ficou bem visível, como seria normal. » E lá ficou até terça-feira seguinte, quando, já terminadas as conversações, Pompidou convidou Caetano e Nixon para uma visita guiada ao interior do avião de passageiros mais moderno do mundo.

Bilhete Postal circulado com vista da Estalagem da Serreta.
Ao fundo a Ilha de Sao Jorge
Nixon e Pompidou conversaram muito ao longo dos dias 13 e 14 de dezembro. Não chegaram a um entendimento sobre o futuro do sistema monetário internacional mas acertaram agulhas para novo encontro, alargado aos outros cinco países do Mercado Comum, à Inglaterra, ao Canadá e ao Japão (o Grupo dos Dez), daí a quatro dias, na Smithsonian Institution, em Washington, de que resultaram os «Acordos de Smithsonian», de 18 de dezembro de 1971 - e a inevitável desvalorização do dólar.

Marcelo Caetano não chegou a participar na cimeira de que foi anfitrião. As suas conversas foram sempre a dois, quer com Nixon, que o pôs ao corrente das suas próximas visitas - essas sim, de importância histórica - à China de Mao Tse-tung e à URSS de Brejnev, quer com Pompidou. Pouco depois da viagem aos Açores foi revelado publicamente que o presidente francês sofria de cancro, a doença que o matou em 1974. O mesmo ano em que Marcelo Caetano foi derrubado por um golpe de Estado em Lisboa e em que Nixon pediu a demissão por causa do estrondo do escândalo Watergate.



Apesar de ter estado sob as luzes da ribalta na cimeira dos Açores, o regime autoritário português continuou isolado. Em 1973 Caetano foi a Londres, por ocasião do sexto centenário da aliança luso-britânica, mas a visita foi ofuscada por manifestações de protesto contra a guerra colonial: um padre inglês acabara de denunciar o massacre de Wyriamu, cometido por tropas portuguesas em Moçambique.

Estalagem em ruínas


E, nos Açores, a estalagem da Serreta nunca mais voltou aos dias gloriosos.




Os Açores voltaram a estar debaixo dos holofotes dos media de todo o mundo em 16 de março de 2003. O então primeiro-ministro Durão Barroso recebeu o presidente dos EUA George W. Bush, o presidente do governo espanhol José María Aznar e o primeiro-ministro britânico Tony Blair na base das Lajes. A cimeira destinou-se a manifestar o apoio daqueles três líderes europeus aos EUA na guerra desencadeada poucos dias depois contra o ditador iraquiano Saddam Hussein.



Fonte: Diário de Notícias

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Feliz Natal





Presépio Josefa de Óbidos
Século XVII
Museu Nacional de Arte Antiga


Natal é um feriado e festival religioso cristão comemorado anualmente em 25 de Dezembro (nos países eslavos e ortodoxos cujos calendários eram baseados no calendário juliano, (o Natal é comemorado no dia 7 de janeiro), originalmente destinado a celebrar o nascimento anual do Deus Sol no solstício de inverno adaptado pela Igreja Católica no terceiro século d.C., para permitir a conversão dos povos pagãos sob o domínio do Império Romano, passando a comemorar o nascimento de Jesus de Nazaré.
 


Os primeiros indícios da comemoração de uma festa cristã litúrgica do nascimento de Jesus em 25 de dezembro é a partir do Cronógrafo de 354.

Essa comemoração começou em Roma, enquanto no cristianismo oriental o nascimento de Jesus já era celebrado em conexão com a Epifania, em 6 de janeiro. A comemoração em 25 de dezembro foi importada para o oriente mais tarde: em Antioquia por João Crisóstomo, no final do século IV provavelmente, em 388, e em Alexandria somente no século seguinte. 


Mesmo no ocidente, a celebração da natividade de Jesus em 6 de janeiro parece ter continuado até depois de 380.

No ano 350, o Papa Júlio I levou a efeito uma investigação pormenorizada e proclamou o dia 25 de Dezembro como data oficial e o Imperador Justiniano, em 529, declarou-o feriado nacional. 
 


A Bíblia regista o papel de Maria em eventos importantes da vida de Jesus, desde o seu nascimento até a sua ascensão. Escritos apócrifos falam de sua morte e posterior assunção ao céu.
Os cristãos da Igreja Católica, da Igreja Ortodoxa, da Igreja Ortodoxa Oriental, da Igreja Anglicana e da Igreja Luterana acreditam que Maria, como mãe de Jesus, é a Mãe de Deus (Μήτηρ Θεοῦ) e a Theotokos, literalmente Portadora de Deus. 



 
Maria foi venerada desde o início do cristianismo. Ao longo dos séculos ela tem sido um dos assuntos favoritos da arte, da música e da literatura cristã.

O nome "Maria" vem do grego Μαρία, que é uma forma abreviada de Μαριάμ. O nome do Novo Testamento foi baseado em seu nome original em hebraico, מִרְיָם ou Miryam. Ambos, Μαρία e Μαριάμ, aparecem no Novo Testamento.
Maria, a mãe de Jesus, é chamada pelo nome cerca de vinte vezes no Novo Testamento.

 
 
 

Criarei o litígio (como sinónimo de diferença) entre você e a Mulher e entre a sua semente e a semente Dela" (Génesis 3:15). O profeta Isaías clarifica mais ainda esta profecia, indicando que Ela, a Mulher escolhida para gerar o Messias-Emanuel, será Virgem: "Pois por isso o Senhor Deus vos dará este sinal" - diz o profeta aos pouco crentes descendentes de David. E apesar do termo "Virgem" parecer estranho aos antigos povos judeus, (uma vez que necessariamente pressupõe uma relação conjugal), eles não se atreveram a trocar a palavra "Virgem" por outra do tipo "Mulher". Portanto: "Uma Virgem conceberá e dará a luz um filho, e seu nome será Emanuel" - nome que significa: Deus está connosco" (Isaías 7:14).





Bilhetes Postais de Boas Festas
 






 
 
 


 








FELIZ NATAL PARA TODOS






 






sábado, 8 de dezembro de 2018

Confraria de N.ª S.ª da Conceição (1717-2017)

 
 
 
Confraria de
Nossa Senhora da Conceição
3.º Centenário
(1717 - 6 de dezembro - 2017)
 
 
 
2017-12-06 - Sobrescrito comemorativo
do 3.º centenário da Confraria de
Nossa Senhora da Conceição
 
 
 
Selo comemorativo
A Confraria de Nossa Senhora da Conceição foi fundada a 6 de dezembro de 1717. As convulsões políticas e sociais do início do século XX terão tido, certamente, influência na inatividade que se seguiu e que perdurou até ao início deste século.

Aproveitando as comemorações do 450.º aniversário da criação da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, o pároco e reitor do Santuário, Pe. Francisco Dolores Monteiro Borges de Medeiros, e um grupo de paroquianos resolveram reativá-la e, a 8 de dezembro de 2003, a Confraria foi reinstalada e agora está a comemorar o tricentésimo aniversário da sua fundação.

 Hoje, pujante, com um número de confrades e confreiras a rondar as duas centenas, a Confraria está ativamente envolvida em toda a vida religiosa do Santuário marcando presença em todas as Obras e Movimentos da Paróquia. Toma iniciativas e dinamiza ações que promovem e incentivam o culto à Virgem Santa Maria neste seu Santuário, e desenvolve a sua atividade pondo um enfoque especial na formação dos seus membros.

 

 
Carimbo comemorativo

Virada para a espiritualidade, não descura o temporal e é assim que chama a si a recuperação do valioso património do Santuário, tomando a liderança do processo de restauro de todas as numerosas pinturas da igreja, num investimento superior a 240 000,00 euros, que acaba de dar por concluído.


Esta efeméride, que agora celebramos, dá-nos novo alento e renova-nos o compromisso para, com ações concretas, continuarmos a honrar a nossa história e a construir um futuro de participação que contribua para o crescimento pessoal e espiritual dos membros da Confraria e para a divulgação do espaço espiritual que o Santuário de Nossa Senhora da Conceição deve ocupar na vida dos cristãos da Cidade Património da Humanidade e da Diocese de Angra. 


Angra do Heroísmo, 6 de dezembro de 2017 

O Juiz da Confraria, 
Duarte Manuel Bettencourt Mendes


Vídeo em:  300 anos Confraria
 
 
 
 
SANTUÁRIO MARIANO
30.º Aniversário
1987 - 8 de dezembro - 2017
 
 














Bilhete Postal comemorativo do 50º aniversário [1854-1904]
 do dogma pelo Papa Pio IX em 8-12-1854






Imaculada Conceição é, segundo o dogma católico, a conceção da Virgem Maria sem mancha ("mácula" em latim) do pecado original. O dogma diz que, desde o primeiro instante de sua existência, a Virgem Maria foi preservada por Deus, da falta de graça santificante que aflige a humanidade, porque ela estava cheia de graça divina. Também professa que a Virgem Maria viveu uma vida completamente livre de pecado.


A festa da Imaculada Conceição, comemorada em 8 de dezembro, foi definida como uma festa universal em 1476 pelo Papa Sisto IV.

A Imaculada Conceição foi solenemente definida como dogma pelo Papa Pio IX em sua bula Ineffabilis Deus em 8 de Dezembro de 1854. A Igreja Católica considera que o dogma é apoiado pela Bíblia (por exemplo, Maria sendo cumprimentada pelo Anjo Gabriel como "cheia de graça"), bem como pelos escritos dos Padres da Igreja, como Irineu de Lyon e Ambrósio de Milão. Uma vez que Jesus tornou-se encarnado no ventre da Virgem Maria, era necessário que ela estivesse completamente livre de pecado para poder gerar seu Filho.



1946 - Série comemorativa dos 300 anos da Proclamação
 de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal


1996 - Moeda comemorativa, prata 1.000$00, comemorativa dos 350 anos
da Proclamação de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal







Igreja de Nossa Senhora da Conceição em Angra do Heroísmo

Elevada a Santuário Mariano a 8 de Dezembro de 1987




25º. ANIVERSÁRIO
(1987-2012)




Nossa Senhora da Conceição
Angra do Heroísmo

História:


Remonta à primitiva Ermida de Nossa Senhora da Conceição, erguida entre os anos de 1460 e 1474, por iniciativa de Álvaro Martins Homem, um dos primeiros povoadores de Angra. A ele se deve ainda, no mesmo período, a construção da primitiva Ermida de São Salvador, atual Sé Catedral.

Embora se desconheça a data da sua edificação, Alfredo da Silva Sampaio refere que o mais antigo documento que se conhece a respeito da Igreja da Conceição é um Alvará de D. João III de Portugal, passado em 26 de Março de 1553, determinando ao bispo que a ermida passasse a sede da paróquia de mesmo nome.


Datas históricas:


Fonte: Wikipédia