sábado, 5 de maio de 2018

Alfredo da Silva Sampaio (1862-1918)

  1.  

 

Alfredo da Silva Sampaio


Nasceu em Angra do Heroísmo a 19.09.1862  e faleceu na mesma cidade a 21.11.1918. Médico. Era filho do também médico e naturalista José Augusto Nogueira Sampaio. Foi casado com D. Laura Pamplona Ramos. Bacharel formado em medicina e cirurgia pela Universidade de Coimbra (1888), foi guarda-mor de saúde de Angra do Heroísmo, facultativo do partido municipal e médico da Misericórdia e do Hospital de Santo Espírito da mesma cidade.

Dr. José Augusto Nogueira Sampaio

Nasceu em Angra a 11 de Dezembro de 1827 e faleceu, em Angra, a 26 de Julho de 1900.
 
Interessado por todos os ramos da história natural, foi um estudioso da fauna, da flora e da mineralogia da ilha Terceira, tendo os seus estudos sido incluídos na obra Memórias sobre a Ilha Terceira, publicada em 1904 pelo seu filho, Alfredo da Silva Sampaio. Era adepto convicto das teorias evolucionistas de Darwin sobre a origem das espécies, tendo sustentado na imprensa local uma interessante polémica com elementos do clero sobre o evolucionismo.


Sucedendo a seu pai, foi diretor do Posto Meteorológico criado em Outubro de 1862. Foi também professor do Liceu de Angra, presidente do Montepio Terceirense, da Sociedade Protetora dos Animais da Ilha Terceira, da mesa administrativa do Recolhimento, Jesus, Maria, José (Mónicas) e seu médico, gracioso, até falecer, e fundador da Cozinha Económica Angrense. Era membro efetivo da Sociedade de Ciências Naturais de Lisboa e honorário da Academia Físico-Química Italiana.
 
Em 1895, estava ligado a um triângulo maçónico existente em Angra do Heroísmo com o pseudónimo Aquiles.
 
Em 1896, era um dos maiores contribuintes do concelho de Angra.
 
 
 
O seu nome está relacionado com a obra Memória sobre a ilha Terceira, elaborada segundo plano traçado e iniciado por seu pai, e que interessa à história natural e à política administrativa e económica daquela ilha.
 
A primeira parte trata da posição geográfica, do descobrimento, da geologia e do vulcanismo da ilha Terceira e dos Açores.
 
A segunda, elaborada por Nogueira Sampaio, é dedicada à flora terceirense e está organizada de acordo com as publicações feitas pelos naturalistas que visitaram os Açores no século XIX.
 
A terceira é dedicada à fauna, com informações sobre as espécies, principalmente sobre os mamíferos.
 
A topografia da ilha ocupa vários capítulos e trata da orografia e do litoral. Inclui descrições e notas históricas sobre largos, praças, instituições, conventos, igrejas, ermidas, fortificações e outras de todas as freguesias da ilha. Ainda nesta parte estão incluídos, entre outros, vários capítulos sobre: os sistemas de governo civil, eclesiástico, militar e fiscal; o carácter e os costumes populares; a agricultura; o comércio; a indústria; e a instrução.
 
A última parte é dedicada à história política da ilha, tratando: do início do povoamento à invasão castelhana; do domínio de Castela; e da restauração até à atualidade do autor.
 
Escreveu ainda Processo da moda, revista sobre os usos e costumes da ilha Terceira, musicada pelo maestro João Lopes, representada dezenas de vezes no Teatro Angrense por crianças de ambos os sexos, e Cosmorama, também revista de teatro. Luís M. Arruda e Carlos Enes
 
Obras: (1904), Memória sobre a ilha Terceira. Angra do Heroísmo, Imprensa Municipal. Processo da moda [inédito]. Cosmorama [inédito].
 
Bibl. Democrata (O) (1918), Angra do Heroísmo: 23 de Novembro. Dias, U. M. (2005), Literatos dos Açores: História. 2.ª ed., Vila Franca do Campo, Editorial Ilha Nova: 165-166. Lopes, A. (2008), A maçonaria portuguesa e os Açores 1792-1935. Lisboa, Ensaius. Mendes, A. O. e Forjaz, J. (2007), Genealogias da ilha Terceira. Lisboa, Dislivro, 8: 609-610. Mendes, V. (1901), Dr. Alfredo Sampaio. A Semana, Angra do Heroísmo, n.º 71, 26 de Maio: 113. Pinto, L. M. (1910), Dr. A. da Silva Sampaio. Almanach Açores, Angra do Heroísmo, ano 6: 48.
 
Fonte: DRC Açores