quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Antero de Quental (1842-1891)

Antero de Quental


Antero de Quental nasceu nos Açores, 18 de Abril de 1842,  na Ilha de S. Miguel, cidade de Ponta Delgada. Foi uma das figuras marcantes na poesia e na política na segunda metade do século XIX em Portugal. 

Nasceu no seio de uma família profundamente religiosa. Estudou no Colégio do Pórtico, de Ponta Delgada, fundado e dirigido por António de Feliciano de Castilho. Em 1858 ingressou na Universidade de Coimbra, onde se viria a licenciar em direito em 1864. É neste período que entra em contacto com a obra de Kant, Hegel, Proudhon, Michelet, A. Comte e outros pensadores contemporâneos.  Funda a Sociedade do Raio, organização secreta de estudantes envolvida em práticas maçónicas e na contestação ao sistema. Colabora no jornal O Académico. 

Antero de Quental adere às ideias modernas do seu tempo (republicanismo na política, realismo na arte), destacando-se logo em 1865-1865, pelos ataques que faz aos defensores das concepções mais tradicionais em arte, como o Feliciano de Castilho, na polémica conhecida como a Questão Coimbrã. Após a formatura, seguindo exemplo de Proudhon resolve aprender o ofício de tipógrafo na Imprensa Nacional (1866), seguindo logo a seguir para Paris onde apoia os operários  franceses. Não tarda a regressar a Portugal e a viajar para os EUA.


Em 1868 fixou-se em Lisboa, onde funda com antigos colegas da universidade o Cenáculo, na Casa de Jaime Batalha Reis. Nesta fase distingiu-se como um grande paladino das ideias republicanas.

No ano da Comuna de Paris (1871), em Lisboa, organiza as célebres Conferências do Casino, que marcaram o inicio da difusão das ideias socialistas e anarquistas em Portugal. Neste ano rompe com o cristianismo e passa a defender uma organização social de inspiração anarquista (Proudhoniana), assente em dois pilares fundamentais: a liberdade e a fraternidade. Neste ano funda diversas associações operárias, publica folhetos e dirige jornais de propaganda das novas  ideias ( A Republica Federal, A República-Jornal da Democracia Portuguesa, O Pensamento Social e a Revista Ocidente).
  
Durante uma viagem a Paris, fica gravemente doente. Em 1881 refugia-se em Vila do Conde, onde estuda Schopenhauer e E. Hartmann. Numa carta datada de 7 de Agosto de 1885, a Carolina Michaelis de Vasconcelos, afirma que terminar o seu período poético e entrara no filosófico, pretendendo desenvolver e sistematizar a sua filosofia.


Em 1890 é chamado para encabeçar um movimento patriótico que opôs Portugal à Inglaterra em relação à partilha de África.



Agastado com múltiplos problemas para os quais não consegue encontrar resposta, acaba por regressar a Ponta Delgada (Junho de 1891) onde se suicidou a 11 de Setembro de 1891.
.

Antero de Quental pertenceu à denominada "Geração de 70", que inclui Eça de Queiróz, Oliveira Martins, Ramalho Ortigão, Teófilo de Braga, Adolfo Coelho, Guerra Junqueiro, Gomes Leal e muitos outros, e que que assumiu como um grande objectivo a reforma cultural e social de Portugal.
A filosofia de Antero é inseparável da sua poesia, onde de forma mais sistemática procurou desenvolver todo um percurso poético-filosófico desde a dúvida religiosa até um panteísmo de inspiração oriental. Reagindo contra o naturalismo e o positivismo que predominavam no seu tempo procurou, no final da vida conceber uma filosofia centrada na consciência e na liberdade.




Edição comemorativa dos 175 anos do nascimento de Antero de Quental.
 Promovida pelos Antigos Alunos da Escola Secundária Antero de Quental em Ponta Delgada.
Tiragem: 300 exemplares.
Circulação: 2018-02-21.

 
. .
Fases da obra de Antero de Quental


1875 - Odes Modernas - 2ª Edição
Livraria Internacional - Lisboa/Porto


 
1890 - Os Sonetos - 2ª Edição
Lopes & Cia - Editores

.
Obras poéticas:

 Odes Modernas (1865); Primaveras Românticas (1871); Sonetos (1886); Raios de Extinta Luz (obra póstuma, 1892);
,
Obras e artigos político-filosóficos:

Arte e Verdade - Caracteres Positivos da Arte (artigo, 1865); O Sentimento de Imortalidade (artigo, 1868);  Portugal Perante a Revolução de Espanha (1868); O que é a Internacional ?(1871); Causas da Decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos (1871);  Considerações  sobre a Filosofia Histórica Literária Portuguesa (1872); Ensaio sobre as bases filosóficas da moral ou filosofia da religião; A Filosofia da Natureza dos Naturalistas (1887); O Socialismo e a Moral (1889); 


Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Séc. XIX (in, Revista Portuguesa, 1890); Defesa da Carta Evangélica de S.S.Pio IX, contra a Chamada Opinião Liberal.   







Bibliografia Essencial sobre Antero de Quental

Medalha comemorativa do centenário
da morte de Antero de Quental
(1891-1991)


Carreiro, J. Bruno - Antero de Quental, Subsídios para a sua biografia. 2 Vols. ICPD.1948
Coimbra, Leonardo de - O Pensamento Filosófico de Antero de Quental. Lisboa. Guimarães Editores.1991
Cidade, Hernâni - Antero de Quental. Lisboa. Ed.Presença.1988
Carvalho, Joaquim de - Evolução Espiritual de Antero de Quental e Outros Escritos. Maia.SRECRAA (Açores).1983 
Mendes, Manuel - Antero de Quental. Lisboa. 1942
Memoriam (In ) de Antero. Porto. 1896 
Ramos, Feliciano - Antero de Quental na poesia filosófica.Vila do Conde.1936.
Saraiva, António José - A Tertúlia Ocidental. Lisboa.1990
Salgado, Junior - História das Conferências do Casino.Lisboa. 1930
, Victor de - Antero de Quental. Porto. 1977
Santos, Leonel Ribeiro - Antero de Quental.Uma visão moral do mundo. Lisboa.2002
Silva, Lúcio Craveiro - Antero de Quental. Evolução do seu pensamento filosófico.Braga.1959 
Vita, Luis Washington - Antero de Quental. Rio de Janeiro. 1961

Fonte: Carlos Fontes (Filosofia)